terça-feira, 1 de setembro de 2009

Editorial

O PAPEL DA IMPRENSA
A Imprensa é à vista da nação. Por ela é que a nação acompanha o que se passa ao perto e ao longe, enxerga o que lhe malfazem, devassa o que lhe ocultam e transforma, colhem o que sonegam ou roubam, percebem onde lhe alvejam, mede o que lhe destroem, vela pelo o que lhe interessa, se acautela do que a ameaça, a imprensa é o dever da verdade. (Rui Barbosa).
Se feita e exercitada a partir desse pensamento, a imprensa exerce um papel da mais alta importância para a sociedade. Se não corre o risco de transformar mentiras em meias verdades trazendo prejuízo para quem dela se utiliza. A imprensa tem, portanto, a grande responsabilidade de informar sobre os fatos que compõem o nosso dia-a-dia e sobre os atores que movimentam esses fatos. Assim a imprensa permite-se ser reconhecida, premiada e aplaudida quando trabalha sem paixões, sem desvios ou excessos.
A imprensa é missionária da informação, da formação da opinião pública e do entretenimento sadio, mas, que tudo isso seja feito com responsabilidade e ética, como convém esta digna atividade que é tida como: “Os olhos e os ouvidos da nação”. É inegável que em toda profissão sempre houve e sempre haverá o mal profissional e na imprensa principalmente essa regra torna-se ainda mais evidente. Nossa carta constitucional garante que: “nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir enbaraço a plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social “ e “ é vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística”. Porém garante por outro lado, “ o direito de resposta ao agravo”e diz que: “ são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurando o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.”
São os limites da liberdade, por que não existe a liberdade absoluta! daí porque o verdadeiro papel da imprensa está no equilíbrio da veracidade do que se informa, obedecendo aos postulados do bom senso e da lei.

Nenhum comentário: